musica

segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Duas raposas









Duas raposas passeiam pelos prados
Ao longe se avista a aldeia
Cantos matinais, folguedos juvenis
Pássaros cantam, o rei vive.
Por toda a eternidade, o rei viverá.
Nossos corações são varonis,
Repletos de sentimentos nobres,
Que deixam rastros pelos ares.
Lavadeiras esfregam roupas
Dos que saíram para a labuta diária
São jovens, belas, amorosas
São filhas de Deus, naturais e mães
Sabem da dádiva que receberam.
O povo canta, o rei vive,
E viverá para todo o sempre.
O rei nos ama e vive em solidão,
Apregoa o que julga certo,
Mas tua alma anseia pelo amor
De camponesas juvenis, chora.
O sol é festivo, o povo canta
Ladram os cães, o rei sabe
De sua nobreza, veste seu manto
E passeia pelos bosques,
Onde duas raposas dormem.
São altivas, como o rei
Que sai para passear, só.
Para observas as jovens mães
E sonhar o sonho dos mortais,
Que não entendem a linguagem
Das raposas.
                                 NOV/2007
                                      

Um comentário:

Lucas disse...

Muito bom o poema e a musica ( aussi )

Postar um comentário